quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Catástrofe assola Região Autónoma da Madeira


Situada no Atlântico a 500 Km da costa Norte-Africana e a 900 Km do continente europeu, a Região Autonoma da Madeira, encontra-se já habituada a chuvas torrenciais, contudo o dilúvio ocorrido no passado Sábado dia 20 de Fereiro, ficará na memória de todos quantos o presenciaram e, sobretudo, sobreviveram para poder contar a sua história.

A quantidade de precipitação foi de tal forma exagerada (durante 6 horas cairam 111 mm de precipitação) e intensa que provocou o arrancar de árvores, pedregulhos enormes foram arremessados das montanhas, cabos de energia foram derrubados e deslizamentos de terra rasgaram vilas e aldeias remotas, destruindo estranda deixando a população de algumas áreas isolada.

Quarenta mortos e setenta feridos é uma primeira estimativa para esta catástrofe. O Governo Regional da Madeira proclamou o estado de emergência e apelou à União Europeia para financiamento de emergência.

3 comentários:

  1. Não consigo imaginar como é que aquelas pessoas estão, depois de todas estas mortes, depois das casas terem ficado destruidas, depois de haverem tantos desalojados e as pessoas terem perdido praticamente tudo, E ainda viverem sobressaltadas e com medo que volte a acontecer! Foi realmente um cenário chocante e desvastador, que ninguém gostava de passar.
    Mas, onfelizmente, quando isto acontecenão se escolhe nem data nem hora. Simplesmente , acontece e traz todas estas consequencias, todos estes estragos, quando tudo parece estar bem! Só todos juntos podemos fazer alguma diferença, pois neste momento temos tudo e outras pessoasperderam tudo e não têm nem metade daquilo que nós temos e, que é essencial para sermos felizes!

    Joana Rodrigues Nº13/9ºA

    ResponderEliminar
  2. Tens razão Joana,
    estas catástrofes, que infelizmente são cada vez mais frequentes, não têm data, nem hora, simplesmente acontecem... provocando o caos e a devastação por onde passam.

    ResponderEliminar